Este blog é dedicado a difundir as mensagens comunicadas nas Aparições de Jacareí-SP-Brasil, por meio do Vidente Marcos Tadeu Teixeira. Desde 1991, Nossa Senhora RAINHA E MENSAGEIRA DA PAZ, Nosso Senhor Jesus Cristo, São José, os Anjos e os Santos , fazem ao mundo um último apelo de conversão, reparação e oração. Essas Aparições que se prolongam por mais de 20 anos, é o último meio que o Senhor manda ao Mundo para que se converta e tenha paz.
"Imitai os meus videntes, os meus Santos que em toda a Sua Vida: Me amaram, Me serviram, sem colocar nenhuma restrição no seu amor por Mim!" (Maria Santíssima, Jacareí-SP, 25-05-2008)

" SEDE SANTOS, porque eu, o Senhor, vosso DEUS, sou Santo." (Levítico19, 2)

domingo, 6 de novembro de 2011

02/01/2011 – Mensagem de São Caio

"-Amados irmãos Meus! Eu, CAIO, servo do Senhor, servo de Maria Santíssima, servo de São José, servo da verdade e da graça, vos abençôo hoje e dou a paz!
Segui as pegadas de Cristo, pelo caminho do amor, pelo caminho da santidade, da verdade, do bem e da graça, fazendo sempre mais da vossa vida uma cópia perfeita da vida de Cristo. Para que vós, assim, possais ser sinal Dele e como que uma continuação Dele na Terra, irradiando à todos a luz do Seu divino Amor, a  luz da graça que vence o pecado, a luz da vida que vence a morte e as trevas infernais.

Segui as pegadas de Cristo,fazendo sempre mais de vossa vida um contínuo renunciar-se a si mesmo, para que não sigais os apetites desordenados das vossas paixões, das vossas inclinações humanas e naturais e a busca pela satisfação imediata dos prazeres sensíveis. Mas para que vós, verdadeiramente, mortificados, mortos para si mesmos, para o mundo e para as coisas passageiras desta Terra, possais viver sempre mais em busca da graça divina, da santidade, do amor de Deus, do cumprimento da Sua Vontade Santa e sempre mais em busca de conhecê-Lo, amá-Lo para que possais unir-vos com Ele pelos laços eternos e indissolúveis do verdadeiro amor.
Segui as pegadas de Cristo,carregando a vossa cruz a cada dia da vossa vida, fazendo sempre mais do vosso dever um ofertório a Deus, oferecendo a Ele todos os sofrimentos por vós suportados com paciência, em ato de expiação pelos pecados que Ele é ofendido e também para suplicar a conversão dos pecadores e dos maus. Para que assim, seguindo as pegadas de Jesus Crucificado, vós também como Ele, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, possais ajudar a tirar o pecado do mundo, a purificar a Terra de tantos males e a fazer brilhar para este mundo a luz da graça, da paz e da salvação.

Segui as pegadas de Cristo, imitando a SANTÍSSIMA VIRGEM e SÃO JOSÉ, que foram os que seguiram as pegadas de Cristo com a maior perfeição possível a uma pura criatura. Para que vós, seguindo com passo decidido e firme pelo caminho, pelo rastro que Eles vos deixaram possais a cada dia mais progredir no exercício de todas as virtudes, no crescimento do verdadeiro amor sempre mais idôneos e idênticos à missão que Deus vos chamou, para qual Deus vos chamou e cada vez mais semelhantes a Cristo.
Segui as Nossas  pegadas, as Nossas, dos Santos, que Nós vos deixamos como sinais luminosos para que vós possais seguir e não vos perderdes, nem errardes o caminho. Se seguirdes Nossas pegadas, chegareis seguramente à casa do Pai, aonde Ele vos espera com o Seu Amor Divino e Eterno para vos tornardes felizes ao lado Dele e Nele para sempre.

Segui as Minhas pegadas, pois Eu dei a Minha vida por Cristo. Eu Me ofereci a Ele, para glorificá-Lo com a Minha existência inteiramente oferecida em Seu louvor e em Sua honra.
Segui Minhas pegadas e Eu vos conduzirei seguramente pelo caminho da santidade e vos farei chegar naquela Glória indescritível e naquela Luz incompreensível à toda a inteligência humana, onde eu vivo e reino com Cristo por toda a eternidade.
A todos neste instante, com amor abençôo.”


Biografia

No livro dos papas da Igreja, encontramos registrado que o papa Caio nasceu na Dalmácia, atual território da Bósnia, de família cristã da nobreza romana, ligada por parentesco ao imperador Diocleciano, irmão do padre Gabino e tio de Suzana, ambos canonizados.
Caio foi eleito no dia 17 de dezembro de 283. Governou a Igreja durante treze anos, num período de longa trégua nas perseguições anticristãs, que já vinham sendo bem atenuadas. Também ocorria uma maior abertura na obtenção de concessões para as construções de novas igrejas, bem como para as ampliações dos cemitérios cristãos. Ele contou com a ajuda de seu irmão, padre Gabino, e da sobrinha Suzana, que se havia consagrado a Cristo.
Antes de ser escolhido papa, os dois irmãos sacerdotes tinham transformado em igreja a casa em que residiam. Lá, ouviam os aflitos, pecadores; auxiliavam os pobres e doentes; celebravam as missas, distribuíam a eucaristia e ministravam os sacramentos do batismo e do matrimônio. Isso porque a Igreja não tinha direito à propriedade, pois não era reconhecida pelo Império.
O grande contratempo enfrentado pelo papa Caio deu-se no âmbito interno do próprio clero, devido à crescente multiplicação de heresias, criando uma grande confusão aos devotos cristãos. A última, pela ordem cronológica, na época, foi a de "Mitra". Esta heresia era do tipo maniqueísta, de origem asiática, pela qual Deus assumia em si a contraposição celeste da luz e da treva. Tal heresia e outras ele baniu por completo, criando harmonia entre os cristãos.
Conforme antigos escritos da Igreja, apesar do parentesco com o imperador o papa se recusou a ajudar Diocleciano, que pretendia receber a sobrinha dele como sua futura nora Segundo se verificou nos antigos escritos, esse teria sido o motivo da ira do soberano ao assinar o severo decreto que mandou matar todos os cristãos, começando pelos três parentes.
Papa Caio morreu decapitado em 22 de abril de 296. A Igreja confirmou a sua santificação e o seu martírio, até pelo fato de Diocleciano ter encerrado por completo as perseguições somente no ano 303.
As suas relíquias foram depositadas primeiro no cemitério de São Calisto. Depois, em 631, foram trasladadas para a igreja que foi erguida no local da casa onde ele viveu, em Roma. A Igreja o reverencia com o culto litúrgico marcado para o dia de sua morte.