Este blog é dedicado a difundir as mensagens comunicadas nas Aparições de Jacareí-SP-Brasil, por meio do Vidente Marcos Tadeu Teixeira. Desde 1991, Nossa Senhora RAINHA E MENSAGEIRA DA PAZ, Nosso Senhor Jesus Cristo, São José, os Anjos e os Santos , fazem ao mundo um último apelo de conversão, reparação e oração. Essas Aparições que se prolongam por mais de 20 anos, é o último meio que o Senhor manda ao Mundo para que se converta e tenha paz.
"Imitai os meus videntes, os meus Santos que em toda a Sua Vida: Me amaram, Me serviram, sem colocar nenhuma restrição no seu amor por Mim!" (Maria Santíssima, Jacareí-SP, 25-05-2008)

" SEDE SANTOS, porque eu, o Senhor, vosso DEUS, sou Santo." (Levítico19, 2)

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Escapulário Vermelho da Paixão

REVELADO A IRMÃ APOLLINE ANDRIVEAU - GRAVADO PELO VIDENTE MARCOS TADEU TEIXEIRA - SANTUÁRIO DAS APARIÇÕES DE JACAREÍ - SP - BRASIL

VOL. 01 - ESCAPULÁRIO VERMELHO DA PAIXÃO - ESCAPULÁRIO DA PAIXÃO - REVELAÇÃO DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO À IRMÃ APOLLINE ANDRIVEAU - GRAVADO PELO VIDENTE MARCOS TADEU - SANTUÁRIO DAS APARIÇÕES DE JACAREÍ SP BRASIL


VOL. 02 - ESCAPULÁRIO VERMELHO - APARIÇÕES DE JESUS À SÓROR APOLLINE ANDREVEAU REVELAÇÃO DO ESCAPULÁRIO VERMELHO DA PAIXÃO DE NOSSO SENHOR NARRADA PELO VIDENTE MARCOS TADEU SANTUÁRIO DAS APARIÇÕES DE JACAREÍ/SP-BRASIL


LUIZA APOLLINE ANDRIVEAU, nasceu à 7 de maio de 1810 em Porsan, Centro da França,
sendo filha legítima de Leonardo Andriveau e Apolline Grangier. Desde
pequena Apolline, muito estimada pela família, sempre soube corresponder
aos afetos dos mais íntimos. Modesta, obediente e muito fervorosa na
igreja, nutria grande veneração à imagem de Jesus “Ecce Homo” e era chamada
por muitos de “ a santinha”. Sempre gostava de dar esmolas e socorrer os
mais fracos. Quando se mudou para Paris com sua família, estudou música,
pintura, línguas, sendo uma aluna exemplar e estimada. Após a morte de sua
mãe foi estudar num colégio religioso, no convento de Santa Isabel, onde
ficou por 2 anos. Aos 23 anos entrou para o Convento das Filhas da Caridade
de São Vicente de Paulo, renunciando para sempre às artes e as ciências.
Assim relata ela mesma:

“Nada me parece mais perigoso para uma mulher do que os elogios ao seu
espírito e talentos. Foi a mão Divina do Nosso Amantíssimo Redentor que me
livrou deste caminho escorregadio que eu percorria com satisfação.”

Com certeza foi o grande amor pelo pobres que a fez escolher este
instituto, onde começou seu noviciado em 15 de outubro de 1833, em Paris,
na Rue du Bac, onde três anos antes Nossa Senhora revelou a Medalha
Milagrosa à Santa Catarina Labouré. Passando o tempo do noviciado, foi
enviada a Troyes, sudoeste de París, onde viveu 38 anos.

*Primeiras Manifestações sobrenaturais à Irmã Apolline*

Em 1845 irmã Apolline foi alvo de fenômenos místicos e foi chamada à Divina
Providência a exercer uma missão sobrenatural que foi para ela fonte
abundante de graças e também de grandes sofrimentos. Assim ela escreve em
uma das carta ao seu confessor, Padre Tiene, 'que havia recebido do Senhor
comunicações tão íntimas que a deixava espavorida, a tal ponto que receava
ser vítima de alguma tipo de ilusão.'

Descreve ela, à 11 de outubro de 1846:

“Estava meditando à Santa Missa na Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Julguei então vê-lO na Cruz. O Seu Rosto era de uma palidez que me
impressionou tão vivamente que me encontrei toda coberta de um suor
glacial. A cabeça de Nosso Senhor estava inclinada. Pensei que os longos
espinhos que cobriam sua fronte Adorável fossem a causa desta posição
incômoda. No mesmo instante, o Senhor levantou subitamente a cabeça e os
espinhos da coroa enterraram-se com força até os olhos e na fronte. Nunca
poderei esquecer aquele movimento. Era algo terrível a dor que Ele deve ter
experimentado no choque violento da Sagrada Cabeça contra o lenho da Cruz


 I – ORIGEM DO ESCAPULÁRIO  DA   PAIXÃO
No dia 26 de julho de 1846, na oitava da festa de São Vicente, à tarde, Nosso Senhor apareceu à Irmã Apolline Andriveau, Filha da Caridade, em Troyes, na França. Ela contou que viu Nosso Senhor revestido de túnica vermelha e de manto azul. Seu rosto não estava desfeito pelas dores do pretório, mas era a beleza por essência. Segurava na mão direita um escapulário suspenso por duas fitas de lã, no qual Ele estava representado pregado na cruz, e ao pé da cruz estavam os instrumentos da paixão que mais o fizeram sofrer. Ao redor do crucifixo estava escrito: Santa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, salvai-nos. Na outra extremidade das fitas, em pano escarlate, estava a imagem dos Corações de Jesus e de Maria; um cercado de espinhos e, o outro, ferido pela lança, entre os dois corações se elevava uma cruz.
Passados alguns dias, Irmã Apolline viu de novo a mesma imagem. Enfim, Nosso Senhor explicou como o escapulário deveria ser usado.
Poucos meses antes de lhe ser revelado o escapulário da Paixão, Irmã Apolline teve outra visão. Fazia a Via-Sacra, quando na 13ª estação, Nossa Senhora lhe depôs nos braços o corpo inanimado do Mestre e lhe disse: “O mundo se perde porque não pensa na Paixão de Jesus Cristo; faça tudo para que o mundo pense, faça tudo para que ele se salve.”
As aparições se repetiam e, em todas elas, Nosso Senhor acentuava a sua infinita misericórdia para com os homens e o desejo de sua salvação.

II- COMO SE DEVE USAR ESTE ESCAPULÁRIO
Nosso Senhor disse à Irmã Apolline que só os Padres da Missão deveriam dar este escapulário, e aqueles que o trouxessem, bento por eles, receberiam, em todas as sextas-feiras, a remissão total das próprias faltas e um aumento de fé, esperança e caridade. Nosso Senhor pediu também que se falasse muito de seus sofrimentos e de sua morte.

III – APROVAÇÃO ECLESIÁSTICA
Em 1847, Pe. Etienne, então Superior Geral, foi a Roma e tendo sido recebido em audiência pelo Santo Padre Pio IX aproveitou para comunicar-lhe as aparições. Pio IX não colocou nenhum obstáculo à aprovação do escapulário.
O poder de benzer o escapulário da Paixão tinha sido concedido exclusivamente aos Padres da Missão e por isso a difusão era lenta, visto que não lhes era possível percorrer todas as paróquias.
Muitos pedidos foram, então dirigidos ao Pe. Etienne para que alcançasse da Santa Sé a faculdade de delegar esse privilégio aos sacerdotes seculares e regulares que o pedisse.
O Santo Padre não só concedeu a licença, mas, ao mesmo tempo acrescentou às indulgências concedidas antes, uma indulgência plenária, todas as sextas-feiras do ano, às pessoas que usassem o escapulário constantemente.